Tecnologias e protocolos para segurança em shopping centers

Written by

Convergência de tecnologia e protocolos aumenta a eficiência da segurança em Shoppings

A gestão da segurança realizada em shopping centers é um dos pilares que garantem o sucesso e a continuidade de negócio deste tipo de empreendimento, pois impacta diretamente na sensação de conforto, confiança e tranquilidade dos consumidores, lojistas e todos os outros indivíduos envolvidos no cotidiano e funcionamento de um estabelecimento desse porte.

São muitos e complexos os desafios para gerir com êxito a segurança de um shopping. Faz parte da estratégia de vendas de todas as lojas expor seus produtos e tendo, ao mesmo tempo, inúmeros clientes perambulando com objetos de valor, dinheiro, movimentação de veículos e mais centenas deles no estacionamento. Como diz o ditado, “a oportunidade faz o ladrão”, é preciso controlar um número grande fatores para que tudo corra sem incidentes, dia após dia.

Neste conteúdo, com a ajuda do conhecimento de profissionais que atuam em empresas importantes no ramo da gestão da segurança em shopping centers, vamos explorar um pouco o assunto, demonstrando os principais desafios, novas tendências e as tecnologias usadas para segurança adequada.

As principais ocorrências nos shopping centers

Antes de saber o que precisa ser empregado para nulificar ações ilícitas e quaisquer outros sinistros, é fundamental entender quais são as principais ocorrências para saber atuar na sua prevenção. Isso porque no quando se trata da segurança em shopping centers, qualquer evento não previsto com uma ação preventiva planejada, um grande transtorno pode vir pela frente. São muitas vidas e negócios envolvidos.

De acordo com Marcelo Voltolin, Superintendente de Operações do GRUPO GR,  as principais ocorrências em shopping atualmente são: furtos de produtos em lojas, furto de estepe e de veículos em estacionamentos, mal súbito de pessoas e acidentes em escadas rolantes.

Obviamente as questões de segurança não param por aí. Além das ocorrências corriqueiras, existem as que envolvem muito mais risco. Ações pontuais, como grandes assaltos, normalmente focam joalherias e lojas que comercializam produtos eletrônicos, como celulares, televisores, câmeras digitais, entre outros.

“Ocorrências deste tipo, costumam acontecer aos shoppings no momento em que iniciam ou encerram suas atividades, ou até mesmo em horários que estão fechados ao público”, afirma Voltolin.

Para minimizar o número de ocorrências de ambos os tipos, é necessária a integração entre humano e tecnologia, além de uma cultura de segurança bem estabelecida. Trata-se de uma maneira para ampliar tanto o alcance humano quanto das ferramentas tecnológicas, para que ambos permitam uma gestão de segurança efetiva no shopping.

Equipamentos utilizados pelas equipes de segurança no dia a dia

Uma estratégia de gestão da segurança em shopping centers é desenhada com ações de prevenção internas e externas.

Na parte externa dos empreendimentos, há utilização de motos (combustão e elétrica) e bicicletas elétricas. Alguns shoppings no país, já usam drones para patrulhamento de grandes áreas externas.

Dentro das dependências, os deslocamentos são facilitados pelo uso dos veículos Segway, que somam aos profissionais distribuídos em locais estratégicos nos andares, todos com comunicação em tempo integral por meio de rádios e headsets para facilitar e agilizar a usabilidade dos equipamentos.

Além disso, existem outros dispositivos que auxiliam na identificação de ocorrências. Há os alarmes de pânicos individuais nas lojas, alarmes nas portas de incêndio e caixas hidrantes (para prevenir furtos dos bicos de cobre). Os totens de informações também têm auxiliado as equipes de segurança e ganhado mais espaço nos shoppings devido suas inúmeras utilidades.

Não podemos esquecer do uso de CFTV, para obter cobertura plena das áreas internas e externas da edificação. Este, aliado a um eficiente sistema de comunicação envolvendo todas as equipes, é fator crucial para  segurança dos shopping center.

Por isso, em vez de citá-lo aqui, dedicamos um tópico somente para explicar quais modelos de câmeras são usados, como e onde. Confira!

O principais modelos de câmeras usados para gestão da segurança em shopping centers

Segundo Nabyael Barros, Key Account Manager da Axis Communications, “as análises de vídeo podem apoiar na operação dos Shoppings ajudando a equipe de segurança a proteger o estabelecimento identificando e impedindo crimes além de ajudar a combater ocorrências em áreas críticas”.

Barros esclarece que os principais modelos de câmera utilizados para a proteção das áreas internas, externas e dos pontos críticos, são:

Áreas externas

Estacionamento e acesso ao Shopping

  • Câmeras fixas com lente varifocal e alta resolução;
  • Câmeras PTZ’s para acompanhamento de quaisquer atividades suspeitas ou fazer varredura geral do ambiente;
  • Câmeras multisensores e/ou Multidirecionais.

Cancela do Estacionamento

  • Câmera Fixa com Infravermelho para Leitura de Placa de veículos;
  • Câmera para gravar a face do cliente quando baixa o vidro do carro para retirar o ticket de estacionamento.

Docas de armazenamento e carregamento

  • Utilização de câmeras fixas ou;
  • Dome com lente varifocal para proteção desse tipo de ambiente.

Áreas internas

Principais acessos e circulação dentro do shopping

  • Câmeras para Fixa com lente varifocal;
  • Câmeras tipo dome;
  • PTZ’s
  • Câmeras multidirecionais para conseguir cobrir as principais áreas internas no Shopping;

Pontos críticos na área interna

Entrada e saída de escada rolante, varandas e parapeitos

  • Câmeras fixas varifocais.

Joalherias, casa de câmbio, lojas de grife

  • Câmeras fixas ou tipo dome visualizando especificamente algumas lojas para redução de ação de meliantes e vandalismo.

Bicicletário

  • Câmera monitorando o ambiente contra furto.

Quiosques no interior do Shopping

  • Câmeras fixas ou domes para visualização contra roubos principalmente após fechamento do Shopping.

Barros destaca que também é possível utilizar proteção perimetral no Shopping. “Tal analítico de vídeo funciona embarcado nas câmeras conectadas na rede CFTV, fornecendo um sistema altamente eficaz que detecta e responde automaticamente a pessoas e veículos que estão invadindo uma determinada propriedade”, ressalta o especialista.

Operar com tamanha diversidade de câmeras e outros dispositivos, oferece à gestão da segurança em shoppings centers maior confiabilidade no sistema de videomonitoramento tanto para a visualização quanto para o armazenamento de imagens.

Voltolin ressalta que atualmente as centrais de monitoramento estão se modernizando em procedimentos e tecnologias. “Hoje elas são Centrais de Operações, controlando tudo o que acontece no Mall, regrados pelos procedimentos operacionais e sistemas inteligentes. Os benefícios são, principalmente, pela rapidez na comunicação, visualização integrada, coordenação de ações e no registro de históricos de ocorrência para uso futuro”, conclui. 

Hoje os recursos visuais são imprescindíveis para a segurança de qualquer estabelecimento, e permitem uma comunicação muito mais eficaz na identificação e soluções das ocorrências junto as autoridades.


Quer saber mais? Veja essa entrevista com Andrea Melo sobre como a ausência de Gerenciamento de Crise afetou as empresas com a chegada do coronavírus.

Pupo Neto

CEO of CoApps Brasil - More than 20 years of experience in various markets - automotive, cosmetics, education, technology and others - in multinational companies, large national groups and startups - O Boticário, Nissan, UOL, OpenEnglish and OLX.

Participation in the creation of 3 startups in early-stage until the complete operation (OpenEnglish and Canal da Peça)
Large cases of communication in multinationals (O Boticário, Nissan, UOL, OLX, etc).

Deixe uma resposta